PUBLICIDADE
Segunda-feira, dia 23 de Outubro de 2017
SEJA BEM VINDO À RÁDIO MUCURI AM 1.320 - TEÓFILO OTONI/MG
NOTÍCIAS - Entretenimento
10/08/2015
O CLIMA VAI ESQUENTAR NO RIO Policiamento é reforçado por tempo indeterminado em Costa Barros, Rio

Morro da Pedreira está ocupado desde a morte do traficante Playboy.
Família diz que traficante foi executado.  

Dois dias após a morte do traficante Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy, a polícia afirma que a ocupação do Morro da Pedreira, em Costa Barros, no Subúrbio do Rio, poderá ser por tempo indeterminado. Os policiais que foram deslocados para a região são de diferentes unidades da corporação: do Comando de Operações Especiais (COE), que concentra o Batalhão de Choque, do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e dos Batalhões de Ações com Cães (BAC) e Grupamento Aeromóvel (GAM), somando um total de 400 homens.

Além disso, o comandante do 41º BPM (Irajá) tenente-coronel Marcos Netto, informou que policiais estão no local para garantir a segurança dos moradores. De acordo com o comando da unidade, o patrulhamento está intensificado com rondas de viaturas.

Playboy foi morto no sábado (8) durante uma operação das polícias Federal, Civil e Militar. Ele foi atingido por dois tiros de fuzil. A família disse que ele foi executado. A polícia informou que o traficante tinha uma pistola e reagiu à prisão. O criminoso ainda foi levado para o Hospital Federal de Bonsucesso, mas não resistiu aos ferimentos.

Ele foi enterrado no domingo (9), no Cemitério do Catumbi, no Centro, parentes e amigos acompanharam o cortejo. Playboy chefiava a principal quadrilha de roubo de cargas e veículos no estado.

Em abril, a quadrilha dele foi flagrada roubando um caminhão de eletrônicos -- carga avaliada em R$ 600 mil. Antes disso, ano passado, o bando roubou 193 motos apreendidas, que estavam dentro de um galpão. As motos foram devolvidas dias depois por ordem do traficante.

Celso Pinheiro Pimenta ganhou o apelido de Playboy porque foi criado em Laranjeiras, na Zona Sul do Rio, numa família de classe média. Ele tinha 33 anos. Era remanescente da quadrilha de outro criminoso criado na classe média, Pedro Machado Lomba Neto, o Pedro Dom.